terça-feira, 18 de agosto de 2009

Homenagem do Globo Rural para a melhor jornalista de Paraisópolis


Você conhece o poema Mulher ao cair da tarde, de Adélia Prado, esta bela senhora de cabelos brancos abraçada à jornalista Suely Gonçalves, a Sula, na foto ao pé da página? Vamos recordá-lo: 'Ó Deus, não me castigue se falo/minha vida foi tão bonita!/Somos humanos,/nossos verbos têm tempos,/não são como o Vosso, eterno'. Suely foi falar com Ele em maio. Seu imenso e generoso coração falhou no dia 29, deixando-nos - uma multidão de admiradores, entre parentes, amigos e colegas de trabalho - para sempre órfãos.

Os leitores hão de lembrar de seu texto leve, impregnado de emoção e poesia, das histórias de vida que eternizou nas páginas da revista, de personagens inesquecíveis como Seu Cutuba (Falou fubá, falou Cutuba); Zé Bagunça, o caixeiro-viajante; Bernardino, 'o rei do pinhão', que andava por aí plantando pinhões; os tropeiros João, José, Joaquim e Mestre Ditinho ('O dia em que o tempo parou') e o inventor Guerzoni Lopes ('Na mosca, Maiakóvski'). Sula era paulistana de nascimento mas foi registrada em Paraisópolis, sul de Minas Gerais, onde o pai, português, era hoteleiro e queria, de toda forma, que a filha fosse mineira. Aos 17 anos, mudou-se para São Paulo, onde se formou jornalista. Por muitos anos, trabalhou em jornais e revistas da capital e de São José dos Campos. Então, num belo dia, voltou de vez a Paraisópolis e fundou a Folha da Serra, jornal combativo, que marcou época na região. Em 2002, passou a escrever para nós, a convite do fotógrafo Ernesto de Souza, com quem trabalhara no jornal Agora, em São José dos Campos.

'O forte de Suely era sua sensibilidade. Era uma fotógrafa de almas e as descrevia numa linguagem mais literária que jornalística', diz o jornalista Roberto Wagner de Almeida, ex-colega no Agora. 'Sula era especial', resume Márcia Maria de Souza, amiga e companheira de tantos anos. 'Tudo que dizem dela é o que ela foi até os curtos e bem vividos 60 anos: a alegria, a luminosidade, o viço, a disponibilidade para o outro e uma curiosidade inesgotável para a vida.' A frase ao pé da página é parte de sua inesperada carta de despedida, escrita às vésperas da cirurgia a que se submeteu em abril. Nesta mesma carta, escreveu: '... me reservo o direito de escolher meu epitáfio (a frase destacada acima, da escritora francesa Marguerite Yourcenar): 'Todo aquele que viveu a aventura humana sou eu'.

'Gostaria, meus queridos, que vocês se lembrassem de mim como uma pessoa que amou a vida e a recebeu com tudo o que ela carrega de bom e de ruim. Tirei dela o que me foi possível e sinto que não a desperdicei'

Suely Gonçalves

Legenda da foto: A jornalista Suely Gonçalves (à esq.) e a escritora Adélia Prado, não por acaso, amigas: comunhão no afeto e na exaltação da vida


Fonte: Revista Globo Rural


5 comentários:

  1. Carlos Manoel - Batata25 de agosto de 2009 11:44

    Eu tive o prazer de conhecer a Sula já... e em pouco tempo de conversa pude perceber que se trata de uma profissional maravilhosa, além de ser uma pessoa que encanta a todos com seu jeito de ser. Parabéns Sula! Parabéns Everton pelo blog... sucesso a todos!

    ResponderExcluir
  2. Tive a honra de conviver um dia inteiro com a Sula em uma reportagem que ela fazia para a Globo Rural. Foi muito gratificante.

    ResponderExcluir
  3. Caro Éverton,
    Fiquei muito feliz ao ver reproduzida em sua página a homenagem que a revista Globo Rural fez a nossa Sula. Tbém na revista Caros Amigos, edição de agosto, vc poderá ler um belo e provocativo texto da escritora e jornalista Marilene Felinto que fala de Sula e da falta que ela nos faz. Me emociona que ela seja reconhecida não apenas pela grande repórter que foi, mas pela alegria, vivacidade e inteligência com que ela sempre nos brindou.
    Obrigada pelo carinho,
    Márcia

    ResponderExcluir
  4. Não tive o prazer de conhecer a Sula pessoalmente , mas acompanhava suas matérias na Revista Globo Rural . Com seu jeitinho simples porém encantador de contar cada história , parecia que a gente estava dentro da matéria ... Eu fiquei imaginando o caiexeiro viajante de Bueno Brandão e várias outras reportagens ...
    Ficou para nós as incrivéis matérias dessa grande repórter : Sula
    Iara Siqueira .

    ResponderExcluir
  5. Márcia, fiquei muito feliz quando vi em meu blog seu comentário! Não precisa de comentários para Sula! Agora devemos continuar o que ela plantou, assim garanto que ela ficará muito feliz! E não vi na revista CA a matéria dela! Vou procurar sim!

    ResponderExcluir